Deputado pede celeridade nas investigações sobre omissão da falta de oxigênio no AM

Deputado pede celeridade nas investigações sobre omissão da falta de oxigênio no AM

 

 

Após inquérito da Polícia Federal revelar que o ex-ministro Eduardo Pazuello teve ciência da iminência de esgotamento de oxigênio, sendo avisado formalmente pelo governo do Amazonas cinco dias antes do colapso, o deputado estadual Serafim Corrêa (PSB) disse que os responsáveis pela tragédia devem ser punidos o quanto antes.

 

“Sobre a crise de oxigênio, ocorrida no mês de janeiro de 2021, onde pessoas morreram asfixiadas, vejo que a verdade ainda não veio a luz e vejo também a preocupação de esconderem fatos. O ex-ministro Pazuello, atualmente secretário da Presidência da República, procurou tirar sua responsabilidade e transferi-la ao governo do Estado. Não estou dizendo que o estado não tem responsabilidade. Um problema daquela magnitude foi responsabilidade de todos, menos dos pacientes que estavam nos hospitais e acabaram morrendo”, afirmou Serafim nesta quarta-feira, 9, em sessão na Assembleia do Amazonas.

 

O inquérito, antes sigiloso, foi aberto por determinação do STF (Supremo Tribunal Federal) e também aponta que o comandante militar da Amazônia, general Theophilo Oliveira, sabia do “pedido de socorro” do Amazonas, enviado no dia 9 de janeiro de 2021.

 

“Isso é muito grave, porque está ficando claro que Pazuello sabia e preferiu mandar a “capitã cloroquina” dizer que tinha que ser feito tratamento precoce e distribuir cloroquina. Mas, ao invés de tomar providências e as providências era transporte de cilindros de oxigênio que se encontravam em aeroportos da cidade de São Paulo, Campinas e Confins (Minas Gerais), o que teria evitado aquela crise fatídica daquele dia 14, que ceifou vidas, da forma mais estúpida que se tem notícia”, lamentou.

 

Para o líder do PSB na Casa Legislativa, o povo do Amazonas merece saber quem foi o responsável pelas mortes por falta de oxigênio no Estado e, para isso, as investigações precisam avançar de forma célere.

 

“Torço para que essas investigações avancem. Elas saíram do STF e agora tramitam em uma vara em Brasília. Não estou, por enquanto, acusando ninguém, ou inocentando alguém, mas dizendo da necessidade da apuração e investigação dessa informação para que a população do Amazonas saiba quem é o responsável por aquela tragédia que se abateu ao nosso povo. Tragédia da qual ainda centenas de famílias estão traumatizadas”, concluiu.