Siga nas Redes Sociais

Olá, o que procuras?

Manaus,

Política

Câmaras Reunidas mantêm segurança à empresa participante de licitação para produção de videoaulas em Manaus

O graduado Ministério Público também opinou pelo desprovimento do recurso.
Foto: Divulgação

As Câmaras Reunidas do Tribunal de Justiça do Amazonas decidiram negar provimento a recurso do Município de Manaus e de participante de licitação realizada pelo ente municipal para contratação de empresa de produção, gravação de videoaulas de conteúdos educacionais, mantendo-se a sentença proferida pela 2.ª Vara da Fazenda Pública.

A decisão colegiada foi por maioria, na sessão desta quarta-feira (09/08), na apelação cível nº 0773115-90.2021.8.04.0001, conforme o voto-vista do desembargador Cezar Bandiera. O graduado Ministério Público também opinou pelo desprovimento do recurso.

Na origem, a impetrante Amazonas Produtora Cinematográfica ajuizou mandado de segurança contra os atos administrativos praticados pelo secretário municipal de Educação, pelo pregoeiro da Comissão Municipal de Licitação da Prefeitura de Manaus e pelo presidente da Subcomissão de Bens e Serviços Comuns; alegando que a VAT Tecnologia da Informação LTDA. teria sido vencedora na fase competitiva do Pregão Eletrônico de nº 156/2020 CML/PM, apesar de haver irregularidades na licitação.

A impetrante apontou “erros gravíssimos de qualificação econômico-financeira, consubstanciados na disparidade havida entre o balanço patrimonial registrado na Junta Comercial do Estado do Amazonas e a escrituração enviada à Receita Federal do Brasil, via Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) – Escrituração Contábil Digital (ECD)”.

A sentença de 1.º Grau concedeu segurança em definitivo à empresa Amazonas Produtora Cinematográfica, confirmando a liminar para suspender a execução do Termo de Contrato n.º 056/2021, reabrir e dar prosseguimento ao Pregão Eletrônico nº 156/2020 – CML/PM, com a inabilitação daquela licitante; devendo, no caso de realização de contratação em caráter emergencial, com dispensa de licitação, ser observada a ordem geral de classificação, desta a excluindo.

O Município de Manaus e a empresa VAT Tecnologia da Informação recorreram, alegando a desnecessidade de juntada de escrituração via SPED e a inexistência de divergência entre os balanços arquivados na Junta Comercial do Estado do Amazonas e o enviado via ECD, entre outros aspectos.

Houve sustentação oral em sessão anterior e, ao analisar o recurso, a maioria do colegiado acompanhou o voto-vista, decidindo manter a sentença proferida, considerando-se a necessidade de apresentar a escrituração via SPED, a vedação legal de juntada posterior de documentação exigida no edital; e a necessidade de observância das regras do edital, para não violar princípios constitucionais.

Clique para comentar

Envie seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

(92) 9 8446-0142

[email protected]

[email protected]

© 2019 - 2023 - Em Pauta Online - Todos os direitos reservados.

EP COMUNICACAO ASSESSORIA & MARKETING - CNPJ 29.008.396/0001-03

© 2019 - 2022 - Em Pauta Online - Todos os direitos reservados.