Siga nas Redes Sociais

Olá, o que procuras?

Dia a Dia

Após ser pego sem cinto de segurança, vereador liga para comandante da PM e acusa policial de extorsão

Após ser abordado em uma barreira policial, e autuado de ter a passageira do banco da frente sem o cinto de segurança, o vereador de Manaus, Álvaro Campelo (PP), resolveu ligar para comandante da Polícia Militar o Amazonas (PM-AM) e acusar o policial militar que fez a abordagem de extorsão.

Um vídeo foi gravado momento que o vereador ligava para o comandante da PM.

Veja o vídeo

Em reposta ao vídeo que teve grande repercussão, Álvaro Campelo resolveu fazer outro vídeo e acusar o policial militar que o abordou de extorsão. No segundo vídeo, o vereador afirma que a esposa tirou o cinto no mento que o policial fez a abordagem de forma truculenta e acordando o filho que estava no banco de trás.

Vereador e PM discutem durante abordagem

“Minha esposa tirou o cinto e pegou a mamadeira para acalmar meu filho que, se assustou com a abordagem policial. Nesse momento, o PM disse que poderíamos resolver o problema lá, foi quando eu me irritei”, disse o vereador.

Veja o vídeo

 

Nota

O Comando-Geral da Polícia Militar informa que o vereador foi multado por descumprimento do artigo 167 do Código de Trânsito Brasileiro. O auto de infração TD0004485 foi emitido de forma eletrônica às 20h24 da noite de sábado (17/02), durante blitz da Operação Catraca, realizada pela Polícia Militar na Avenida General Rodrigo Otávio. A Operação é voltada à fiscalização dos ônibus do transporte coletivo, com foco na prevenção de assaltos.

Segundo a equipe policial que trabalhava na ocasião, o carro do vereador estava atrás de dois ônibus que foram parados para abordagem. Assim como ele, outros quatro veículos de passeio e duas motocicletas foram parados, naquela ocasião. Contudo, o vereador teria começado a buzinar. Quando os policiais se aproximaram e pediram a documentação, ele teria se recusado e acelerado o veículo. A passageira estava sem cinto, deitada na cadeira rebaixada. Naquele instante, o vereador foi notificado da infração, mas não quis assinar a multa. É importante ressaltar que, assim como qualquer cidadão, o vereador pode recorrer e apresentar defesa na Junta Administrativa de Recursos de Infração (JARI).
O Comandante-Geral da Polícia Militar, Coronel David Brandão, reafirma sua total confiança na tropa de policiais militares que serve à sociedade amazonense e enfatiza que a atividade dos policiais militares é exercida com total independência e respeito às leis.

Clique para comentar

Envie seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 + sete =