Siga nas Redes Sociais

Olá, o que procuras?

Manaus,

Política

Análise: a multiplicação de emendas bilionárias em ano eleitoral

Isso sem falar do fundão eleitoral, que também é recorde em 2024: R$ 4,9 bilhões.
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Nunca antes (na história deste país) o Congresso Nacional foi tão importante para o resultado de uma eleição municipal como será em 2024.

E essa influência tem nome: emenda parlamentar.

Se a fatia do Orçamento que cabe aos parlamentares foi relevante nos últimos pleitos, neste ano promete ser decisiva.

Ao todo, o Congresso Nacional previu R$ 53 bilhões para 2024. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vetou R$ 5,6 bilhões. Mesmo assim, o que sobrou ainda é o maior valor já reservado em emendas para um único ano.

Isso sem falar do fundão eleitoral, que também é recorde em 2024: R$ 4,9 bilhões.

O cálculo sobre o impacto de tudo isso é simples: grandes valores aplicados de forma “correta” é meio caminho andado para a construção/consolidação de redutos eleitorais.

Não à toa, a expectativa é de que só com emendas individuais de transferência especial – as chamadas emendas Pix – os congressistas injetem cerca de R$ 8 bilhões nas cidades espalhadas pelo país.

A modalidade é das mais atrativas porque não precisa ter o destino determinado previamente.

Ou seja, é aporte rápido com potencial imediato de alavancar candidaturas de aliados.

Afinal, 2026 está logo ali para inverter os papéis. Será a vez dos prefeitos eleitos pedirem votos para eleger os deputados e senadores.

“Tanto dinheiro tem potencial de tornar candidato fraco em forte e desconhecido em conhecido”, disse um experiente congressista à CNN.

Clique para comentar

Envie seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *